Educação de Qualidade para todos

Sala de Física

22/07/2010 19:54

  

CALENDÁRIO

 
Programação Período
Inscrição de Escolas

até 12 de maio

Prova da 1a Fase (nas escolas) 21 de maio
Lançamento pelos professores e/ou coordenadores das notas da 1ª Fase no banco de dados da OBF até 11 de junho
Divulgação do número mínimo de acertos para admissão à 2ª Fase até 15 de junho
Prova da 2a Fase 13 de agosto
Lançamento pelos coordenadores das notas da 2ª Fase no banco de dados da OBF até 10 de setembro
Divulgação da nota mínima para admissão à 3ª Fase até 14 de setembro
Prova da 3a Fase 08 de outubro
Divulgação do Resultado Final até 12 de dezembro

  Para saber mais acesse:   http://www.sbf1.sbfisica.org.br/olimpiadas/

 

* * *

 Pior foi a Laika

  Jorge Luiz Calife  -  Diário do Vale


Na semana passada, a Rússia comemorou os cinquenta anos do voo do primeiro astronauta, Yuri Gagárin, com uma grande festa em Moscou. O presidente Dimitri Medvedev fez discurso e velhos cosmonautas subiram ao palco ao lado de estrelas da música pop russa. Convenientemente ninguém se lembrou da Laika e de outros cachorros que foram cruelmente sacrificados durante os testes com as naves soviéticas. Esse é um capítulo da história da conquista do espaço que os russos acham embaraçoso e gostariam que fosse esquecido.

  No filme "Minha Vida de Cachorro", do diretor sueco Lasse Hallström, um menino passa uma infância infeliz depois que sua mãe morre. Ele é separado de seu cãozinho de estimação e mandado para a casa dos tios no interior da Suécia. Sempre que alguma desgraça se abate sobre o jovem Ingemar, ele se consola dizendo: "Pior foi a Laika, ela não teve escolha" A história se passa no fim da década de 1950, quando crianças do mundo inteiro se comoveram com o destino da cadela Laika, enviada para a morte a bordo do satélite Sputnik 2.  mandar um cachorro para o espaço.  Três cachorros de rua foram capturados pela carrocinha nas ruas de Moscou. A lógica é que os animais que sobreviviam nas ruas da capital russa já estariam acostumados com a fome e o frio. As cadelas receberam os nomes de Albina, Mushka (mosquinha), e Laika (latidora). O treinamento consistia em colocar os animais em gaiolas tão estreitas que eles mal podiam se mexer. Com o confinamento, as cachorrinhas pararam de urinar e defecar, e Mushka ainda se recusou a comer. Laika, mais dócil, foi selecionada para o voo mortal a bordo do Sputnik 2.

Na segunda parte do treinamento, ela foi colocada várias vezes em uma centrífuga, rodando em alta velocidade na ponta de um braço giratório, o que submetia os animais a altas forças gravitacionais, semelhantes as da decolagem do foguete. Laika e suas colegas também eram bombardeadas com o ruído dos motores do foguete. Durante essa tortura, a pressão sanguínea dos bichos subia e os batimentos cardíacos chegavam a 240 por minuto. Um pouco antes do lançamento o médico espacial Vladimir Yazdovsky levou Laika para sua casa, para que brincasse um pouco com seus filhos. "Eu queria fazer alguma coisa boa para ela. Restava-lhe tão pouco tempo de vida". Laika abanou o rabo achando que ia ser adotada.

Pelo progresso

No dia seguinte, ela foi levada de avião para Baikonur, trancada no cone do foguete de 34 metros de altura e a contagem regressiva começou. A subida foi perfeita, mas assim que o míssil entrou em órbita o isolamento térmico se soltou e a temperatura da cápsula subiu para 40 graus centígrados. No espaço, qualquer objeto metálico desprotegido é aquecido pelo Sol até a temperatura da água fervendo.

Enquanto sua cabine virava um forno, Laika continuava apavorada. Seu coração levou três voltas para cair dos 240 para 120 batidas por minuto. Ela não viveu nem um dia no espaço e morreu de calor, depois de sete horas. A propaganda soviética comemorou o feito, dizendo que Laika tinha vivido dias, se alimentado e fora sacrificada "de modo indolor com veneno". A colega de Laika no treinamento, Mushka ainda viveu mais três anos até ser colocada a bordo do Sputnik 6 junto com outro cachorro, Pchyolka, em dezembro de 1960. O Sputnik 6 era um teste para a nave Vostok que levaria Gagarin e a ideia era trazê-lo de volta do espaço, com os cachorros vivos. Uma câmara de tv transmitiu do espaço imagens de Mushka e Pchyolka a bordo da nave.

Mas na hora do regresso, o retrofoguete queimou sem parar, fazendo a nave mergulhar na atmosfera num ângulo agudo. E os dois cachorros foram incinerados vivos, a uma temperatura de 1300 graus centígrados, junto com a cápsula. Um ano depois, Gagarin embarcava no Vostok 1 para entrar para a história. Ele sabia que suas chances de voltar vivo eram as mesmas dos cachorros, 50%. Mas escolhera correr o risco. Laika não, como dizia o Ingemar, "ela não teve escolha". Em 1998, depois do fim do regime soviético, o cientista Oleg Gazenko, que mandou Laika para a morte, mostrou-se arrependido e reconheceu: "Não devíamos ter feito aquilo. Não aprendemos nada que justificasse a morte dela".

 Artigo publicado pelo Diário do Vale em 21/04/2011.

                                                                                       *  *  *

 

 

 

 

Encontro de Professores de Matemática e Física

 No dia 23 de março último tivemos, aqui na Coordenadoria, uma reunião para os professores de Matemática e Física.  Para saber mais:  Reunião de Matemática e Física 

 

 

 

 

 

 

        

                                        ***

Na Croácia, a equipe da OBF conquista cinco medalhas ba 41ª IPHO

 

     Da esquerda para Direita: Prof. Ronaldo Fogo, Prof. Euclydes Marega, Filipe Rudrigues, 
Cássio dos Santos, Rodrigo Andrade, Gustavo Haddad, Rodrigo Rolim e Prof. Teixeira Jr.

    Foto do site:  www.sbf1.sbfisica.org.br

         A equipe Brasileira da OBF que participu da 41ª International Physics Olympiad (IPHO), retornou da Croácia dia 27 de Julho com cinco medalhas na bagagem.   A 41ª IPHO ocorreu de 17 a 25 de julho, em Zagreb, na Croácia, com a participação de 380 estudantes de 80 países.

         Nossa equipe, selecionada e preparada pela OBF, conquistou cinco Medalhas de Bronze e foi formada pelos estudantes Rodrigo Alencar (CE), Filipe Rodrigues de Almeida Lira (PE) e de S. Paulo, Cássio dos Santos Sousa, Gustavo Haddad Francisco S. Braga e Rodrigo Silva.   A delegação brasileira foi acompanhada pelos Professores Euclydes Marega Júnior - I. Física da USP, Roberto Dias (PE), Ronaldo Fogo (SP) e Teixeira Júnior (CE).

      Esta é a primeira vez que todos os integrantes da equipe brasileira conquistam medalhas nessa Olimpíada Internacional de Física.

      Apesar de só termos começado a participar da IPHO no ano de 2000, o Brasil atualmente é o país da América Latina com maior número de Medalhas conquistadas na IPHO.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Voltar

Pesquisar no site

© 2010 Todos os direitos reservados.